sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Análise ao mercado de inverno

O mês de Janeiro trouxe algumas novidades à nossa Liga, uma vez que se realizou como sempre a habitual janela de transferências do período de inverno. Deste modo, os clubes procuraram reforçar os setores ou as posições mais débeis dos seus plantéis e, na verdade, houve algumas movimentações que despertaram maior interesse e curiosidade. Com efeito, as aquisições que tiveram mais destaque foram as de " Tiquinho " Soares, por parte do Porto e o empréstimo de Adama Traoré do Mónaco ao Rio Ave. Contudo, existe expetativa para ver como correrão as aventuras de Felipe Augusto, Hermes, Rafael Martins, Fede Cartabia e Sougou, nos maiores palcos do futebol português.

Soares- O experiente avançado de 26 anos chega ao reino do Dragão com o objetivo de oferecer um maior poder de fogo ao ataque azul e branco. Após, a contratação falhada de Depoitre ao Gent, visto que o " gigante " belga, só marcou, até agora, dois golos com a camisola do clube da invicta e pela principal alternativa a André Silva, ser, atualmente, um júnior de 18 anos, que está, agora, a dar os seus primeiros passos no futebol sénior, a equipa orientada por Nuno Espírito Santo viu se obrigada a ir ao mercado à procura de um avançado que desse mais solidez e eficácia ao momento ofensivo do Porto e essa escolha recaiu, no ex Vitória de Guimarães. Por um lado, o brasileiro destaca se pela sua capacidade de luta e pelo desgaste que provoca nos defesas, devido à sua enorme pressão. Também, se carateriza por ser um jogador móbil, algo que vai de acordo com as ideias de jogo do treinador do Porto e pelo seu bom sentido posicional e de finalização. Por outro lado, " Tiquinho " tem algumas debilidades técnicas e dificuldades no último momento decisão com bola. Em suma, o atleta agenciado por Deco, antiga glória do emblema presídio por Pinto da Costa, é dono de atributos que no geral podem lhe levar ao sucesso na sua estadia pelo maior clube do Norte.

Hermes- O ex-Grémio foi uma contratação " sem custos " para o lado da Luz e pela forma como aconteceu a negociação parece ser uma aquisição pensada a médio/ curto prazo, para que este se adapte ao clube, nestes próximos 6 meses, e assim possa conseguir substituir, na perfeição, no Verão, a saída de Grimaldo ou a de Eliseu. Desta forma, Hermes é um lateral com qualidades muito idênticas às de Grimaldo, no momento ofensivo, isto é, uma enorme facilidade em subir no flanco, devido a uma boa condução de bola e uma grande assertividade e eficácia nos cruzamentos. Além disso, gosta de jogar num futebol apoiado e muito técnico. Na vertente defensiva, o atleta é muito forte nos duelos aéreos e nos confrontos individuais com os seus opositores, uma vez que demonstra uma percentagem razoável de recuperações de bola. Assim, após esta analise, é percetível que o emblema das águias possuí um elemento de valor, que assegurará a qualidade existente no setor defensivo, nas próximas épocas.

Rafael Martins- O experiente atacante brasileiro de 27 anos protagonizou mais um regresso ao futebol português, dado que já registou duas passagens pela principal liga de Portugal, mais concretamente, ao serviço do Vitória de Setúbal e do Moreirense, onde apontou mais de 30 golos com a camisola destes dois emblemas. O avançado chega a terra de D. Afonso Henriques para fazer esquecer o seu compatriota Soares que rumou ao Porto e assim marcar uma nova era no conjunto de Pedro Martins. Deste modo, a nova referência ofensiva dos vitorianos destaca se pelo seu forte remate e pelo seu " faro " de golo. Além disso, trabalha imenso para a equipa, ou seja, tenta sempre oferecer uma linha de passe, bem como encontrar espaços para o seu conjunto procurar a profundidade e assim o contra golpe. Outra qualidade, associada a este reforço é a sua capacidade de levar a sua equipa para a frente, de modo a fazê la subir no terreno. Concluindo, Rafael Martins tem tudo para executar uma excelente segunda volta com as cores do clube do Minho e fazer esquecer Soares.

Adama Traoré- Uma das grandes supresas do último dia de mercado foi o jovem Adama Traoré. Isto, porque, o Rio Ave viu sair Felipe Augusto para o Benfica, mas com ajuda do agente desportivo, Jorge Mendes, consegue encontrar um substituto de qualidade indiscutível, que no verão de 2015 custou 14 milhões de euros ao Mónaco, uma vez que, nesse ano, o atleta africano foi considerado o melhor jogador do mundial de sub-20 ocorrido na Nova Zelândia. O senegalês é visto como um talento em bruto, que, neste momento, necessita de tempo de jogo, para que possa conseguir aproveitar da melhor forma as suas melhores caraterísticas. Traoré, tem como pontes fortes a sua velocidade e o seu drible, que lhe permitem ultrapassar com relativa facilidade os seus opositores e criar jogadas de perigo junto da área adversária. Por isso, o atleta vilacondense é uma seria arma no contra golpe, algo que pode desiquilibrar o jogo a seu favor. Já, defensivamente é muito bom nas intercessões de bola, conseguindo na maior parte das vezes estancar os ataques dos jogadores rivais. Em suma, este empréstimo tem tudo para dar certo e certamente Adama Traoré será um atleta em ter atenção, nesta segunda metade de campeonato.

Notas: Outras mudanças que nesta janela de transferências se verificaram foi a ida de Felipe Augusto para a Luz, onde Rui Vitória esperará que o médio brasileiro consiga oferecer uma maior capacidade física ao miolo do tri campeão nacional e assegurar qualidade na circulação de bola e na criação de oportunidades de golo. Por sua vez, o Braga requiriu ao Valência os serviços do extremo espanhol, Fede Cartabia, e Jorge Simão pode esperar do atacante muita velocidade e agitação nas alas bracarenses. Por último, Sougou estará em Moreira de Cónegos até ao final da temporada por empréstimo do Sheffield Wednesday do Championship de Inglaterra e terá como principal missão melhorar a eficácia da equipa vencedora da Taça da Liga, além de acrescentar experiência e garantir a velocidade e a profundidade que os pupilos de Augusto Inácio procuram na movimentação atacante.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

China: Futebol em ascensão

China: Em 2011, Paulo Futre, numa célebre conferência de imprensa de apoio à candidatura de Dias Ferreira para a presidência do Sporting, já tinha avisado do poder que a China iria ter no futebol. Na altura, as palavras proferidas pelo ex-jogador foram ridicularizadas e ninguém as levou em consideração, mas passado 5 anos, o tempo veio dar razão ao atual comentador desportivo. De facto, o pais asiático tem conseguido ganhar destaque e relevo no mundo do futebol, quer seja através dos vários grupos de investidores chineses que entraram nos mais variados emblemas europeus ( Inter Milão, Atlético de Madrid, Manchester City, West Bromwich ), quer seja pelos valores estratosféricos das transferências que os seus clubes têm protagonizado.
A influência chinesa na Europa
Voltando ao início do processo, a China começou as suas reformas no " Desporto Rei ", na década de 90 com a sua profissionalização, mas foi a partir de 2013 que tudo comecou verdadeiramente. O grande responsável por todo este mecanismo revolucionário foi e é o seu Presidente Xi Jinping que é um adepto confesso da modalidade e tem incentivado as diversas empresas chinesas a apostarem no futebol em troca de benefícios económicos, fiscais e sociais. Este pedido parece ter sido muito bem acolhido pelos empresários chineses, uma vez que os 16 clubes que compõem a Superliga Chinesa são controlados por multinacionais com muito poder de investimento. Com efeito, a componente económica é levada muito a sério, e sinal disso é que nenhuma equipa pode ter um lucro abaixo do 1 milhão de yuans, senão desce automaticamente de divisão. Por sua vez, os direitos televisivos e os bilhetes vendidos são todos controlados por uma associação que gere a divisão principal chinesa com o fim de dividir os lucros, no final de cada época, pelas formações que compõem a tabela classificativa mais importante da China. Assim, percebe se o porquê destes emblemas terem tanta capacidade financeira e assim poderem aliciar qualquer jogador, treinador e dirigente do mundo. Outra vantagem, que este país oferece aos grandes nomes do futebol é a sua isenção aos impostos, ou seja, o valor oferecido a um atleta, é o valor total que esse futebolista irá ver cair na sua conta bancária, no final de cada mês. Embora, a China queira trazer notoriedade e popularidade para a sua liga, a mesma não quer deixar de apostar e valorizar os seus jovens, e por esse motivo, reune excelentes academias para conseguir extrair todo o talento e potencial dos seus jogadores nacionais, além de haver uma regra que limita o número de estrangeiros que podem compor cada plantel. Com esta regulamentação, a federação chinesa pretende a evolução máxima dos seus jogadores nativos, para que estes consigam adquirir experiência e bagagem futebolística, um vez que um grande objetivo da sociedade chinesa é ver a sua seleção a participar, regularmente, nos grandes torneios internacionais, como o Mundial.
   Como já foi referido, a China passou a ter mais relevância nas nossas cabeças através das supreendentes e bombásticas transferências que foram efectuadas por todos os emblema chineses. Neste momento, a grande potência da Ásia tem um cartel de jogadores que com toda a certeza seriam titulares absolutos em grande parte das equipas europeias. Com isto, é possível verificar que atletas como Óscar, Ramires, Tevez, Jackson Martinez, Hulk, Ricardo Carvalho, Alex Teixeira, Guarín, entre outras " estrelas " que estão inseridas neste novo fenómeno. Prova desta abordagem louca ao mercado, por parte das instituições desportivas chinesas, é o facto de ter sido a liga que mais dinheiro dispendiou, no último mercado de inverno, tendo superado o investimento feito pelos participantes da Premier League, que até esse período dominavam a " tabela dos gastos ". Contudo, não é só a nível de jogadores que a China tem atacado e evoluído, mas também a nível de treinadores, uma vez que tem a liderar as suas equipas, caras bem conhecidas da nossa TV, como André Villas Boas, Scolari, Pellegrini e Marcelo Lippi. Apesar disso, os dirigentes que gerem o futebol chinês também pretendem contratar os melhores árbitros ( Mark Clattenburg já foi abordado nesse sentido ) e os melhores técnicos de formação. Este " all- in " efectuado pelo governo chinês tem um objetivo bem vincado, que é colocar a liga e a seleção chinesa como referências do futebol mundial. Por agora, assistimos ao crescimento da China no futebol, falta saber se o vai consolidar ou será apenas um momento efémero, tal como a liga americana e a japonesa, que em alturas passadas também tentaram colocar se no mapa futebolístico.

Os maiores ativos da China:

Como podemos observar, na imagem, as aquisições rondam valores astronómicos, que facilmente batem a concorrência na corrida por qualquer jogador, que uma equipa chinesa o encare como alvo ou prioritário para o seu elenco. Recentemente, a China fixou em 20 milhões de euros, a mais cara transferência que envolveu um jogador chinês. O protagonista deste recorde foi um bem conhecido do futebol português, Zhang chengdong que atuou pelo Mafra, Beira Mar e União de Leiria. A nivel internacional, tem permitido aos clubes europeus vender os seus excedentários por números bastante fora da realidade.



Os maiores salários da liga chinesa:             

Tal como mostra o quadro ao lado, o futebol chinês tem oferecido autênticos contratos de sonhos aos jogadores que as suas formações aliciam. O principal motivo da ida de certos jogadores para o continente asiático prende se com o facto de um atleta conseguir angariar mais dinheiro em dois anos num futebol periférico do que ganhá lo na sua carreira toda.


sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Reforços a " custo zero "- Parte 2

No calendário geral das pessoas, o mês de Dezembro significa os últimos 31 dias do ano civil e, consequentemente, o inicio das celebrações das festas de Natal e de Ano Novo, ou seja, um tempo de paz, de tranquilidade e de solidariedade entre as pessoas. Contudo, no mundo de futebol, indica o aproximar do mercado de Janeiro, um período em que os clubes podem retocar e solidificar os seus planteis conformes os objetivos definidos para o resto de época e o momento em que começam a preparar a próxima temporada, uma vez que chegou a altura de atacar os alvos " a custo zero " , isto é, os jogadores que vêem os seus vínculos a terminar no mês de Junho do ano seguinte e, por isso, têm liberdade para assinar por qualquer clube, sem qualquer contrapartida financeira para o emblema que representam. Desta forma, vários futebolistas já provocaram autênticas transferências surpresas, como foi, recentemente, o caso de Lewandowski e de Carrillo que se transferiam para o emblema rival do então clube representado, mais precisamente do Dortmund para o Bayern e do Sporting para o Benfica, respetivamente. Com este propósito, o VerdadeDesportivaa360 fez o seu trabalho de casa e foi descobrir os atletas mais apetecíveis,  nestes moldes, e verificou que existem vários negócios vantajosos, nomeadamente, para os " três grandes ", tais como o de Andrew Robertson ( Hull City, Inglaterra ), o de Luciano Narsingh ( PSV, Holanda ), o de Valetin Eysseric ( Nice, França ) e o de Gonzalo Rodriguez ( Fiorentina, Itália ). Assim, como noutros artigos publicados, partimos para uma análise individual sobre cada futebolista apresentado, nesta segunda parte do post.

Andrew Robertson: O talentoso defesa esquerdo escocês, chegou ao Hull City, em Junho de 2014, proveniente do Dundee United, num valor a rondar os 3,6 milhões de euros. Apesar de, oficialmente, o seu contrato expirar a 30 de Junho de 2017, a direção do Hull tem direito a estender, por mais uma época, o vinculo do atleta. Se, o emblema inglês decidir por não exercer o seu direito, vários clubes têm aqui uma excelente oportunidade de negócio, que renderá, certamente, desportivamente e financeiramente. Na vertente futebolística, o jovem lateral destaca se pela sua envolvência no momento ofensivo, uma vez que é rápido e possuí um " mágico " pé esquerdo, que serve com uma enorme eficácia, através de cruzamentos e de passes, os avançados da sua equipa. Desta forma, o seu estilo assemelha se aos laterais de formações de grande dimensão, pois não é de " chutão " para frente, ou seja, gosta de sair a jogar com a bola colada ao relvado e ao seu pé e, assim subindo no terreno, de uma maneira elegante e assertiva. Por outro lado, defensivamente não é tao forte como ofensivamente, mas não é por isso que é fraco no período defensivo, pelo contrário é bastante forte nos duelos individuais e demonstra uma boa dose de seriedade e de concentração que o torna num defesa sólido. Contudo, tem sérias dificuldades no jogo aéreo, aspecto que melhorará com o passar do tempo. No geral, Robertson poderia ser uma boa opção para o Sporting ( que não encontra estabilidade e segurança nesta posição ) e para o Benfica ( que não tem a continuidade de Grimaldo assegurada e não deverá renovar com Eliseu )

Luciano Narsingh: O extremo holandês chega ao seu último ano de contrato com o PSV, como uma das principais estrelas da equipa e sendo a sua maior referência atacante. De facto, o desiquilibrador ofensivo do conjunto de Eindhoven é quase sempre um motivo de dor de cabeça para os defesas que enfrenta, uma vez que é bastante eficaz no 1 vs 1, visto que bate facilmente o seu opositor com a sua velocidade característica e o seu drible refinado. Além disso, é muito forte, nas transições ofensivas, pois, é sempre, uma " seta " apontada à baliza contrária. Quem decidir avançar para a sua contratação poderá ganhar um ala muito interessante, dado que trará experiência, dinâmica, velocidade e profundidade à formação que adquirir os seus serviços. Mas, como todos os jogadores tem os seus defeitos ou fragilidades no seu jogo e no seu caso é o contributo defensivo, visto que nunca baixa para auxiliar o lateral do seu lado e obriga aos elementos do meio campo a um esforço extra. Tirando, este aspecto, Narsingh será sempre uma aposta acertada e, por exemplo, no campeonato português faria, certamente, muitos estragos e diferença. Nesta altura, seria fundamental na equipa do Porto, que necessita dum extremo com as suas características e na equipa do Sporting, que assim ganhava uma alternativa viável a Gelson Martins.

Vicent Esseyric: Formado nas escolas do Mónaco, o centro campista tem sido um dos responsáveis pela grande época que o Nice está a protagonizar, ou seja, tem garantido qualidade e combatividade no miolo da equipa gaulesa. Titular indiscutível na formação orientada por Lucien Favre, Eysseric é dos jogadores fundamentais, para que a estratégia do líder do campeonato francês funcione, uma vez que, através da sua qualidade de passe e da sua criatividade consegue lançar rápidos contra ataques, enquanto que defensivamente é um atleta que ganha vários duelos individuais, isto é, um recuperador de bolas que permite manter a solidez defensiva da sua equipa. De igual modo, o médio criativo pode desempenhar várias posições durante a partida, isto significa que tanto pode aparecer como a " 8 ", a " 10 ", a " 7 " e a " 11 ". Esta polivalência é um dado muito interessante para os seus treinadores, que assim podem explorar esta sua característica, que dá muita profundidade ao plantel, em termos de opções. Por fim, o francês, em Portugal, caberia muito bem no plantel do Sporting, pois com a sua criatividade e a sua visão de jogo daria dinâmica ao futebol leonino e podia ser o cérebro que falta à equipa de Jorge Jesus.

Gonzalo Rodríguez: Terminamos a nossa lista com este excelente defesa central de 32 anos, que tem lugar em qualquer equipa do nosso campeonato. A, sensivelmente, 6 meses de terminar contrato com a Fiorentina, o argentino chegou à Cálcio no verão de 2011 proveniente do Villarreal de Espanha, que nessa época tinha descido até à segunda liga espanhola. Em Itália, joga no meio de um eixo defensivo composto por 3 centrais e, na verdade, não podia está a correr da melhor forma a sua experiência na Seria A, pois tem sido um verdadeiro patrão, na formação de Paulo Sousa. Bastante, concentrado, dificilmente, perde um duelo individual, devido ao seu enorme sentido posicional e à sua forte capacidade de desarme. Também, sabe dobrar muito bem os seus companheiros e assim apagar os fogos que aparecem na sua área defensiva. Ofensivamente, é uma arma secreta nos lances de bola parada, como provam o seu histórico de golos, nos últimos anos, contabilizando números interessantes para um defesa. Outro aspecto, que recomenda a sua aquisição, é o facto de possuí uma boa qualidade técnica individual, que traduz uma enorme segurança na saída de bola,por outras palavras, prefere sair a jogar pelo chão do que mandar chutão para a frente. Em suma, este futebolista é sinal de experiência, de segurança, de solidez defensiva e presença aérea nas bolas paradas, trazendo impacto imediato para qualquer conjunto português.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Reforços a " custo zero "- Parte 1

No calendário geral das pessoas, o mês de Dezembro significa os últimos 31 dias do ano civil e, consequentemente, o inicio das celebrações das festas de Natal e de Ano Novo, ou seja, um tempo de paz, de tranquilidade e de solidariedade entre as pessoas. Contudo, no mundo de futebol, indica o aproximar do mercado de Janeiro, um período em que os clubes podem retocar e solidificar os seus planteis conformes os objetivos definidos para o resto de época e o momento em que começam a preparar a próxima temporada, uma vez que chegou a altura de atacar os alvos " a custo zero " , isto é, os jogadores que vêem os seus vínculos a terminar no mês de Junho do ano seguinte e, por isso, têm liberdade para assinar por qualquer clube, sem qualquer contrapartida financeira para o emblema que representam. Desta forma, vários futebolistas já provocaram autênticas transferências surpresas, como foi, recentemente, o caso de Lewandowski e de Carrillo que se transferiam para o emblema rival do então clube representado, mais precisamente do Dortmund para o Bayern e do Sporting para o Benfica, respetivamente. Com este propósito, o VerdadeDesportivaa360 fez o seu trabalho de casa e foi descobrir os atletas mais apetecíveis,  nestes moldes, e verificou que existem vários negócios vantajosos, nomeadamente, para os " três grandes ", tais como o de Taison ( Shakhtar Donestk, Ucrânia ), o de Maksimovic ( Astana, Cazaquistão ), o de Ghezzal ( Lyon, França ) e o de Ntep ( Rennes, França ). Assim, como noutros artigos publicados, partimos para uma análise individual sobre cada futebolista apresentado, neste post.

Taison: O habilidoso extremo brasileiro do Shakhtar deu os seus primeiros passos como sénior, no Internacional de Porto Alegre, do Brasil. Nesse " time " foi sempre um elemento em destaque e em evidência e por essa razão, chamou,desde cedo, atenção de várias equipas europeias. Apesar disso, o seu futuro levou o para o leste da Europa, mais precisamente, para o Metalist da Ucrânia. Nessa formação, continuou a sua evolução, como jogador e, rapidamente, se tornou na " estrela " do conjunto ucraniano, devido às suas exuberantes exibições coroadas com golos e assistências. Teve, como ponto alto a sua prestação na Liga Europa de 2011/2012, competição que atraiu o interesse de clubes de alta dimensão europeia, ou seja, Chelsea e Benfica. Mas, o destino quis que fosse parar ao Shakhtar Donestk, que aceitou pagar 14 milhões de euros pela totalidade do seu passe. Forte tecnicamente, Taison consegue aliar um drible elegante a uma velocidade supersónica que lhe carateriza. Dessa forma, é responsável por provocar diversos desiquilibrios ofensivos, oferecendo " vida " e dinâmica ao movimento atacante da sua equipa. Além disso, tem um remate potente e é especialista em lances de bola parada. Assim, o canarinho caía que nem uma luva em qualquer um dos " três grandes " e não restam dúvidas que teria um papel interventivo e um efeito estrondoso no campeonato português.

Maksimovic: Este médio sérvio joga, atualmente, no Astana do Cazaquistão, mas após 2 anos, nesse país, decide, agora, dar um novo rumo à sua curta carreira, isto é, transferir se para uma liga mais competitiva e atrativa, para que possa continuar o seu processo de afirmação no futebol europeu. Maksimovic deu nas vistas no Mundial de sub-20, na Nova Zelândia, torneio que acabou por vencer pela seleção da Sérvia, sendo considerado um dos obreiros da conquista sérvia, uma vez que finalizou a jogada que deu o titulo à nação oriunda dos balcãs. Com capacidades físicas interessantes, visto que possuí 1,89 cm e pesa 81 Kg, Nemanja consegue atuar sem dificuldades na posição 6, dado que é forte no jogo aéreo, assegura qualidade na saída de bola e apresenta um ótimo sentido posicional que lhe permite ser um bom recuperador de bolas. De igual modo, faz na perfeição o papel de " 8 ", pois embora seja alto, tem consigo uma boa técnica individual nos dois pés que lhe oferece uma boa capacidade de passe. Também, sabe ocupar espaços e zonas de uma maneira bastante inteligente e assim fazer uso da sua boa meia distância. Já foi associado ao Sporting e ao Benfica, contudo o seu futuro parece ser o Valência, mas como no futebol " o que hoje é verdade, amanhã é mentira ", ainda existe uma réstia de esperança em ver este talento sérvio, em palcos portugueses.

Ghezzal: Aos 24 anos, Rachid Ghezzal é um dos principais jogadores do Lyon e um dos atletas mais apetecíveis, desta lista, visto que as negociações com o emblema francês estão cada vez mais desgastadas e o número de clubes interessados, nos seus serviços, não pára de aumentar. Certamente, o avançado que tanto atua nas alas ou como a " 10 ", é um alvo difícil de alcancar para as formações portuguesas, mas a sua aquisição seria um extraordinário golpe de mercado. Embora, possa preencher todas as posições do ataque, o internacional argelino prefere jogar a extremo direito para conseguir utilizar uma das suas jogadas de " marca ", ou seja, os seus movimentos interiores, desde da linha para dentro, para depois utilizar o seu forte remate de pé esquerdo. Dono de uma técnica acima da média e de um drible delicioso, o compatriota de Brahimi e de Slimani não tem medo de enfrentar os defesas e, por isso, adora partir para cima dos seus opositores. Outra qualidade que evidência é a sua capacidade de passe e de visão de jogo, uma vez que é frequente vê lo assistir os seus companheiros com autênticos passes de " morte " e de rutura. Resumidamente, é um futebolista esforçado e que trabalha em prol da equipa, além de que tem grandes pormenores técnicos, que fazem dele um elemento crucial em qualquer conjunto de média/alta dimensão europeia.

Ntep: Um dos maiores talentos da Ligue 1 é este fantástico extremo esquerdo. Já internacional francês, o, ainda, jogador do Rennes é a principal atração deste conjunto gaulês, que o contratou ao Auxerre, por apenas 5 milhões de euros, em janeiro de 2014. Desta forma, cada pessoa que gosta de ver futebol, com toda a certeza se vai deixar deliciar e apaixonar por este talento franco-camaronês. Com um drible excepcional que se carateriza pela habilidade e pela irreverência do " sangue africano ", Ntep transmite toda alegria de uma criança africana a jogar futebol, em cada jogada que protagoniza. Como joga, a partir do lado esquerdo, e sendo destro, o ala executa vários movimentos interiores para fazer uso do seu remate ou tentar assistir os seus colegas de equipa com passes mortíferos para a área contrária. Assim, o atleta apresenta, regularmente, números de golos e de assistências satisfatórios. Embora, tenha uma enorme importância na manobra ofensiva da sua " equipe ", este jovem jogador pouco ajuda no momento defensivo, bem como é propicio a algumas lesões, que já ameaçaram comprometer a sua carreira. Todavia, estando em boa forma e estando salvo das lesões, Ntep é jogador para carregar uma formação às suas costas e prova da sua enorme qualidade e potencial, é o facto de já ter sido apontado a inúmeros emblemas da Premier League, como o Liverpool e a outros colossos europeus, como o caso do Bayern de Munique. Assim, as suas probabilidades de ingressar em Portugal são mínimas, mas sonhar não custa.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Jovens talentos da Ligue 1

Todo o adepto de futebol gosta de assistir ao aparecimento e ao crescimento de novas estrelas e de novos jovens cheios de talento, uma vez que estes, na maioria das vezes, representam, em campo, a mística e a paixão dos adeptos e simbolizam o árduo trabalho que é desenvolvido, internamente, no clube, trazendo assim prestígio e reconhecimento nacional e internacional aos mais variados conjuntos. Desta forma, existem campeonatos mais propícios para o " nascimento " de novos craques e exemplo disso, atualmente, é a liga francesa, dado que integra nos seus participantes diversos jovens a quem se perspetivam " futuros brilhantes ". Como é sabido, os emblemas gauleses mantém uma forte ligação à formação e à aposta de jogadores, visto que possuem inúmeras academias futebolísticas de renome mundial com condições excelentes que priveligiam e facilitam o processo de maturação de um jogador. Assim, são vários os clubes conhecidos pelas suas grandes " fábricas de jogadores ", tal como o Auxerre que deu a conhecer ao mundo Sagna, Abou Diaby e Djibil Cissé, o Lens, por sua vez, formou Varane, já o PSG originou atletas como Luiz Fernandez e ,mais recentemente, Moussa Dembélé e Coman, o Nantes foi responsável pelo aparecimento de Mickael Landreau, Dimitri Payet, Jérémy Toulalan e Marcel Desailly, enquanto que o Mónaco produziu estrelas internacionais, como Thierry Henry, Lilian Thuram e Emanuel Petit, o Lyon " deu à luz " Hartem Ben Arfa, Martial e Karim Benzema, o Marselha viu nascer Samir Nasri, o Bourdeaux originou lendas como Alain Giresse, Bissente Lizarazu e Dugarry, o Rennes possibilitou a formação a Yoann Gourcuff, Mikael Silvestre e Sylvan Wiltord, o Le Havre é o local onde saíram Paul Pogba, Steve Mandada, Lass Diarra e Chimbonda, o Caen é famoso devido a Zidane, Patrick Vieira e Gael Clichy e o Saint Étienne viu o seu trabalho recompensado através de Kurt Zouma, Bafétimbi Gomis, Joshua Guillavogui e Willy Sagnol. Porém, outros emblemas menos conhecidos, como AS Lyon Duchère, US Boulogne, Melun e o Troyes formaram Éric Abidal, Frank Ribéry, Claude Makélélé e Blaise Maitudi, respetivamente.
Efetivamente, a França é um país habituado a formar e a revelar grandes nomes do futebol e parece não querer perder essa ligação, pois apresenta nos seus campeonatos profissionais diversos jovens que aspiram chegar ao topo do " desporto rei ". Por este motivo, o VerdadeDesportivaa360 está atento aos valores emergentes da liga francesa e, por isso, selecionou um grupo restrito de futebolistas que na nossa consciência têm tudo para se afirmarem no panorama internacional do futebol. O quarteto escolhido é composto por Harit ( Nantes ), Ludovic Blas ( Guingamp ), Maouassa ( Nancy ) e Marcus Coco ( Guingamp ). Agora, vamos iniciar uma análise individual a cada um dos atletas, dando a oportunidade aos nossos leitores de os conhecerem melhor.

Amine Harit: O jovem jogador do Nantes, agora treinado por Sergio Conceição, é um dos grandes talentos franceses para os próximos anos. Após, ter tido um inicio de 2016 brilhante ao serviço da equipa de júnior do histórico clube gaulês, Harit viu a sua segunda metade de época premiada com a chamada para o Europeu de sub-19, no qual se sagrou campeão pelas cores da França, tendo sido um dos destaques da prova. Já, nesta temporada, conseguiu afirmar se na formação principal do Nantes, onde tem tido um papel fundamental em todos os momentos com bola do conjunto francês. Pois, o médio apresenta uma enorme versatilidade, visto que atua, sem problemas, nas posições 6, 8, e 10. Em qualquer uma delas consegue se evidenciar, dado que é dono de uma excelente técnica individual que lhe permite ter um drible refinado. Além, deste pormenor técnico, também é um centro campista bastante dinâmico, uma vez que procura sempre oferecer uma linha de passe ao seu companheiro e gosta de levar a sua equipa para a frente. Fortissimo, no momento ofensivo, o internacional francês sub-19 é " senhor " de uma capacidade de passe e de visão de jogo acima da média, facto que lhe possibilita criar inúmeras ocasiões de golo aos seus colegas. Desta forma, face ao seu desempenho, no último ano, a grande promessa do Nantes já é seguido por vários " tubarões europeus " e, por isso, não é de estranhar que nos próximos tempos, o seu nome já esteja inserido num emblema de maior dimensão.
Ludovic Blas: Outro caso parecido com Amine Harit, ou seja, estreou se na equipa sénior do Guingamp em Dezembro de 2015 e a partir daí começou a integrar de forma recorrente nos trabalhos da formação principal. Tal como, o seu colega de profissão, Ludovic, também, foi chamado ao Europeu de sub-19, e com alguma naturalidade realizou uma prova com distinção. Em campo, é principalmente um 8, mas ultimamente tem sido mais utilizado na ala direita, tornando se um autêntico quebra-cabeças para os defesas contrários. Apesar, de jogar encostado no lado direito, Blas é esquerdino e faz uso da sua técnica e do seu remate fácil para executar vários movimentos interiores, sendo parecido a " Robben ", na sua maneira de jogar. Além, destas qualidades, o talento do Guingamp tem uma recepção de bola e um drible acima de média, que aliados a uma imprevisibilidade e velocidade nos seus periodos com bola, faz dele um jogador a estar atento, nesta edição da Ligue 1. Por fim, outra caraterística que lhe é associada é o seu poder decisão e a sua visão de jogo, que lhe permite realizar inúmeros " passes de morte "com a finalidade de servir os seus companheiros.
Faitout Maouassa: Formado no Nancy, Faitout Maouassa é um lateral esquerdo com muita qualidade e com muito potencial. Também ele, internacional jovem pela França, destaca se, essencialmente, pelo apoio que oferece ao ataque da sua equipa. Visivelmente, robusto e forte fisicamente, o francês tem como pontos fortes a sua condução de bola em velocidade, o seu grande pulmão, que proporciona lhe ser um lateral de alta rotação, isto é, fazer os constantes " sobes e desces " pela linha e consegue sempre tirar excelentes cruzamentos. Por estes motivos, é um jogador que gosta de participar na manobra ofensiva, sendo comparado a Jordi Alba, pela critica francesa e espanhola, que já acompanha o seu curto percurso como futebolista. Todavia, o talento gaulês tem de aprimorar o aspeto defensivo, uma vez que, por vezes, perde o seu sentido posicional que provoca algumas situações de perigo pelos seus rivais diretos. Em suma, Maouassa tem tudo para entrar na alta roda europeia do futebol, visto que encaixa na perfeição no estilo de jogo de um clube de grande dimensão, ou seja, ataca com coragem, com determinação e com critério, algo que satisfaz os responsáveis destes emblemas referenciados.
Marcus Coco: Terminamos a nossa lista com um extremo entusiasmante oriundo da formação do Guingamp, Marcus Coco. Este " menino " de 20 anos estreou se ao mais alto nível, na época 2014/2015 e já vai na sua segunda temporada consecutiva como indiscutível do conjunto do norte de França. Já bastante acarinhado pelos seus adeptos, devido aos seus dribles e às suas fintas que levantam qualquer um da cadeira do estádio, Coco é uma das pérolas do Guingamp e é o motivo de diversos olheiros marcarem presença no " Roudourou ". Individualmente, é um ala bastante forte e daqueles que ninguém gosta de apanhar pela frente, dado que não tem medo de partir para cima do defesa, uma vez que graças à sua velocidade supersónica e à sua imprevisibilidade consegue ultrapassar sem dificuldades o seu opositor. Outras caraterísticas positivas que detém é a sua entrega à partida e a sua relação com o golo, e prova disso é que, este ano, já leva 4 golos nas competições francesas. O seu futebol já não passa indiferente a ninguém e, por isso, é seguido por vários emblemas de média/alta dimensão europeia, pelo o que se presume que tenha os dias contados em Guimgamp, apesar de ter renovado contrato há pouco tempo

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

As tentativas falhadas de substituir Renato Sanches

Benfica: A transferência de Renato Sanches para o Bayern de Munique fez soar os alarmes para os lados do Seixal, uma vez que houve uma enorme preocupação, desde início, em saber quem iria substituir o " menino bonito " do universo encanardo. Desta maneira, o " scouting " benfiquista teve, logo, como prioridade encontrar uma alternativa credível ao mais recente campeão europeu por Portugal e vários nomes foram apontados para a difícil missão de fazer esquecer o ex jogador das águias. Com efeito, Nagy ( Bolonha ), Hernanes ( Juventus ) e Fransergio ( Marítimo ) foram alguns possiveis substitutos apontados, como estando na rota da " Luz ", mas a verdade é que a escolha acabou por recair no colombiano, Celis e no brasileiro Danilo. Estes, chegaram às ordens de Rui Vitória bem cotados, ou seja, com condições e com potencial suficiente para vingarem com a camisola do tri campeão nacional, contudo na realidade não têm conseguido justificar as suas aquisições. Para ajudar lo a conhecer melhor os pontos mais fortes e os mais fracos, destes dois atletas,vamos, agora, iniciar uma análise individual a cada um. 
Começando, pelo o brasileiro que chegou à Luz por empréstimo com opção de compra no valor de 15 milhões de euros, Danilo veio bem referenciado, uma vez que se evidenciou há dois anos em grande nível no Braga e foi durante muito tempo, na época passada, titular no Valência. Como referimos, o segundo melhor jogador do campeonato do mundo de sub-20 disputado, em 2015, na Nova Zelândia, foi uma das figuras dos arsenalistas e, por isso, teve como prémio a sua ida para Espanha, no entanto a sua estadia em campos espanhóis foi algo discreta e ,por essa razão, o jovem tenta relançar a sua carreira no Seixal, mas até então, não tem tido resultados. Contudo, apresenta excelentes pormenores técnicos e a qualquer momento pode alterar a sua situação. Deste modo, o canarinho executa na perfeição a posição " 6 " e " 8 ", devido à sua enorme capacidade de marcação e de inteligência em ocupar espaços, o que lhe possibilita ter um sentido posicional formidável, em campo. Ao contrário do que é normal , nos atletas mais defensivos, o cliente de Jorge Mendes é extremamente elegante a jogar, visto que possuí uma técnica apurada, que lhe permite driblar sem dificuldades os seus adversários. Outro aspeto , que lhe caracteriza é a sua boa meia distância e a sua visão de jogo, o que o torna útil no processo ofensivo da sua equipa. Para além disso, é um jogador alto, com boa resistência e com espirito de sacrifício, algo que todos os treinadores apreciam. Todavia, acabar por pecar na qualidade de acerto do passe, bem como na intensidade de recuperações de bola.
Por outro lado, o conjunto português, conseguiu ganhar os serviços de Celis, após concordar pagar 2,2 milhões de euros, ao Junior de Barranquilla. O " cafetero " destacou se ao longo do último ano, no campeonato colombiano e na última edição da Copa América pelo seu país. Num primeiro momento, salta à vista a sua entrega e a sua garra que disponibiliza ao jogo, sendo semelhante com Renato Sanches na maneira como vive cada partida. Mais dedicado às tarefas defensivas do que ofensivas, o jogador das águias é extremamente agressivo à perda de bola e dificilmente se deixa bater num 1 vs 1, assumindo se, principalmente, como um recuperador de bolas e destruidor de jogo. Em contra partida, perde, por vezes, o seu sentido posicional e entra, algumas vezes,  à " queima " aos lances disputados. De igual modo, ofensivamente é um médio muito móvel, que está sempre disponível para arranjar uma linha de passe, também não é de " chutão " para a frente, uma vez que prefere manter contacto com a bola e distribui la de uma forma mais agradável. Porém, é precipitado nas suas decisões, característica que muitas vezes expõem a sua equipa e em certos períodos prende se muito à bola, o que reflete em algumas perdas do esférico, algo que torna o vulnerável, em relação aos seus companheiros
Para concluir, o emblema presídio por Luís Filipe Vieira adquiriu três jogadores para a posição de Renato Sanches, mas apenas André Horta conseguiu aproveitar a oportunidade. Com isto, verificou se uma abordagem de mercado precipitada e incorrecta por parte do Benfica, para esta posição.

sábado, 19 de novembro de 2016

O estranho caso de João Carlos Teixeira

Porto: No dia 13 de Junho de 2016, João Carlos Teixeira foi anunciado como reforço dos dragões para a época de 2016/2017. O jogador chegou proveniente do Liverpool, após cessar contrato com os " reds " e assinou pelos os azuis e brancos um vínculo de cinco anos, ou seja, até 2021. Neste momento já se esperava que o jovem médio assumisse algum protagonismo no elenco portista, mas a verdade é que não soma qualquer minuto, até então,pelo emblema da cidade da invicta. Antes de aterrar no aeroporto de Sá Carneiro, o número 18 do Porto, chegou a Inglaterra oriundo das camadas jovens do Sporting, onde era a estrela dos sub 19 leoninos, numa equipa que continha nomes como João Mario e Bruma. Em solo britânico, JCT, rapidamente, cativou e encantou os responsáveis e os adeptos ingleses com as suas qualidades técnicas e chegou mesmo a ser comparado a Deco ( uma das suas referências ) durante a sua aventura em Anfield Road. Apesar dos elogios e da satisfação demonstrada pelos dirigentes do Liverpool, o futebolista de Braga decidiu que a melhor decisão era deixar terminar a sua ligação com o conjunto orientado por Klopp e assumir um novo desafio na carreira que lhe desse o tempo de jogo que procurava para reforçar a sua afirmação no futebol sénior. Deste modo, o centro campista, no inicio do verão, foi disputado pelo o Porto e pela Fiorentina e o seu futuro acabou por ser o clube português. Determinado a seguir as pisadas do seu ídolo, Deco, na formação portista, foi com ambição e com esperança que agarrou esta nova fase da sua vida, contudo o atleta não tem tido nenhuma chance de revelar todo o seu talento nos relvados portugueses. Quem o conhece futebolisticamente sabe que João Teixeira prefere jogar a " 10 ", mas que faz com relativa facilidade a posição " 8 " e a de falso ala ou extremo. Caracterizado por se dotado tecnicamente, o jovem de 23 anos detêm, ainda, uma boa capacidade de passe e de visão de jogo. Outras qualidades que o fazem dele uma aposta interessante é a sua elegância e a sua classe a jogar, isto é, joga sempre de cabeça leventada, posiciona se sempre bem em campo, é rápido a tomar uma decisão e oferece uma grande capacidade de pressão e de intensidade à partida. Em conclusão, há que reforçar as inúmeras opções que Nuno Espirto Santo dispõem para o miolo azul e branco, mesmo assim é de estranhar a atual situação do virtuoso médio, uma vez que se esperava que tivesse maior impacto no conjunto presídido por Pinto da Costa.